Imagens com fundo recortado

Muitas vezes é necessário aplicar uma imagem sobre um fundo ou textura colorida, onde é necessário que essa imagem seja recortada. Imagens em JPG, por exemplo, mesmo que seu fundo seja branco, este aparecerá no arquivo ao ser importado, seja no InDesign, ou no Power Point, como mostrado abaixo:

recorte_tela00

Mas há algumas extensões de arquivo que suportam não conter este fundo. Primeiramente, precisamos recortar este fundo. Eu utilizo o Photoshop, e existem várias maneiras de se fazer isso. Vejamos algumas delas:

  • Primeriamente transforme seu “background’ em uma camada, pois se você apagar o fundo no background, ele ainda continuará com um fundo, mesmo que branco. A maneira mais fácil de se fazer isso é com 2 cliques sobre a camada background, o Photoshop irá abrir uma caixa de opções para esta nova camada, clique Ok e seu background se transformará em uma camada.

recorte_tela01

  • Uma outra forma é duplicando seu background (com Comand J – MAC, Control J – PC; ou escolha “Duplicate” nas opções de camada). Feito isso, apague a camada background.

recorte_tela02

  • Se seu fundo for homogêneo, com uma cor predominante, você pode selecioná-lo com a ferramenta “Magic Wand”. Quanto maior for a tolerância, mais área ele irá pegar na seleção. Delete a área selecionada. Se a imagem for uma foto, com figura humana, por exemplo, e você queira um corte mais suave, pode escolher um feather de 1 ou 2 pixels na seleção antes de deletá-la. No menu “Select”, escolha “Refine Edge”. Aqui, você pode também configurar mais opções para as bordas da sua seleção, antes de deletá-la.

recorte_tela03

recorte_tela04

  • Se o fundo da imagem é cheio de detalhes e cores diversas, você pode “desenhar” ao redor da imagem com a ferramenta “Pen Tool”. Após fechar a forma (ponto de origem com ponto final), vá em opções de path e peça para transformar o path em seleção. Nesta caixa de opções, você já pode indicar o feather. Depois, inverta a seleção para capturar o fundo (Menu “Select”, escolha “Inverse”). Delete a seleção.

recorte_tela05

recorte_tela06

  • Se optar por maior precisão, principalmente se a imagem recortada tem detalhes como fios de cabelo, pode optar por apagar em volta da imagem com a ferramenta “erase”. Aqui o trabalho bem manual, e ajuda muito ter uma mesa digitalizadora.

recorte_tela08

Obs.: Você pode usar o conjunto de todas as formas mencionadas, pois algumas imagens precisam de algum retoque, ou mais precisão para deletar o fundo.

  • Se seu arquivo será usado em “RGB”, para apresentações em Power Point, impressões a jato de tinta, ou uso para internet, você pode salvar o arquivo como PNG, ou como GIF. Em ambos os casos o fundo permanecerá recortado. Para uma melhor qualidade, opte pelo PNG; para um arquivo menor em memória, opte pelo GIF.
  • Se você for usar a imagem para impressão em gráfica, seu arquivo estará em CMYK (4 cores de gráfica). Não é possível salvar em PNG ou GIF com cores em CMYK. Então, salve o arquivo como PSD mesmo (extensão do próprio Photoshop). Esta extensão pode ser importada tanto pelo Illustrator como pelo InDesign, mantendo a imagem recortada.
  • Com cores em CMYK, você pode também salvar o arquivo em TIF, mas não são todos os programas que aceitam a transparência do fundo.

recorte_tela09

O que você pode fazer é desenhar ao redor do elemento a ser recortado, com “Pen Tool”, como mencionei anteriormente. Mas em vez de transformar o “path” desenhado em seleção, nas opções, você primeiramente irá salvar o path atribuindo-lhe um nome. Depois, ainda nas opções, escolha “Clipping path”. Na caixa de seleção escolha seu path e atribua um valor de flatness (pode ser 1). Salve sua imagem em TIF. Ao importá-la em outro software, a imagem aparecerá recortada conforme o seu path desenhado.

recorte_tela10

Com o fundo recortado e o arquivo salvo na extensão apropriada, você pode importá-lo, ou usá-lo na internet sobre um fundo colorido.

recorte_tela11

Sistema Mavericks: primeiras impressões

O novo sistema operacional dos computadores Apple (OS Mavericks versão 10.9) agora é gratuito. Nada mais justo, dado o valor pago em um Mac, além do software funcionar apenas nele. Isso indica também uma estratégia da Apple em trazer usuários de Iphone e Ipads que não possuem Mac a terem um.

Primeiramente, como estamos tratando de sistema operacional, faça um backup de todos seus arquivos, sobretudo de sua “Library” do Iphoto, pois após instalar o novo sistema, você terá que fazer um upgrade do IPhoto (também gratuito). Tenha certeza de seu computador estar ligado na tomada (caso de notebooks) ou se possível com nobreak, no caso de desktops, para evitar queda de energia na hora da instalação.

Reserve um dia que você tenha bastante tempo para atualizar o sistema, de preferência um final de semana. Não apenas para fazer o upgrade, mas também para se habituar com os novos recursos e instalar os demais upgrades necessários. Aconselho também a não fazer o upgrade se você estiver no meio de algum projeto, com prazos de entrega.

O sistema é gratuito e você pode baixá-lo na App Store on-line, como eu fiz. Eu trabalhava com o sistema 10.6, então ao baixar o nosso OS, eu pulei algumas versões. Seguem minhas primeiras impressões sobre este upgrade.

O download demorou bastante, cerca de 2 horas (claro, depende também da conexão, e no meu caso, minha internet estava com cerca de 2MB de velocidade). Após o download, você pode pedir para instalar o novo sistema.

A instalação demorou bastante também, cerca de 60 minutos. E quando a barra anuncia “…less than a minute”, é o minuto mais longo da história, esteja preparado.

Após a instalação, a primeira coisa que notei é que ele ajustou automaticamente a resolução do meu monitor para ter mais definição.

Outra coisa que ele mudou automaticamente foi uma opção do mouse, deixando-o com “scroll natural”. Particularmente, estou acostumado sem esta opção, onde arrastando para baixo, faz a tela ir para cima. Então eu a desmarquei.

Ele mudou também meu “dashboard”, deixando-o como space, em vez de ficar sobre minha área de trabalho. Para voltar ao normal, basta ir no “System Preferences”, “Mission Control” e desmarcar a opção “Show Dashboard as a Space”.

Após a instalação, assusta a primeira mensagem que aparece na tela: “Message Agent wants to use your confidential information stored in your keychain”. Uma consulta ao Macrumours (http://forums.macrumors.com/showthread.php?t=1191796) garante que é seguro. Refere-se a conversas por chat através do iMessage e Face Time.

Por causa do “indexing”, onde o sistema vasculha todo o seu HD para ajudá-lo posteriormente a buscas de arquivos (spotlight), o computador apresentou certa lentidão no início, até terminar de indexar. Percebi também lentidão toda vez que eu abria um software pela primeira vez no novo sistema. Depois a velocidade voltava ao normal.

No dock, percebi um sinal de “X” sobre o ícone do IPhoto. Ele não era compatível com o novo sistema. Você pode ir na App Store para fazer upgrade. Mas mesmo assim, o sistema lhe avisa a necessidade do upgrade. No App Store, havia 4 upgrades disponíveis.

 

O primeiro a ser concluído foi do IPhoto. Enquanto fazia upgrade dos demais, abri o Iphoto e ele reconheceu minha biblioteca (mas faça backup antes de instalar mesmo assim, pois li casos em que as pessoas perderam suas fotos). Mas o sistema apresentou uma falha: toda vez que eu clicava em um arquivo, seu desenho ficava preso ao mouse e eu não conseguia fazer mais nenhuma função até dar “Relaunch” no finder. Se isso acontecer com você, não se assuste. Após terminar os demais upgrades, o sistema faz um restart automático e tudo volta a funcionar normalmente. O ícono do Iphoto no dock continuava com um “X” mesmo após o upgrade, após o restart que mencionei, aparece o ícone mais novo.

[É muito importante que você faça os upgrades após instalar o sistema Mavericks,  tive relatos de pessoas que o programa de e-mail apresentou problemas, sendo resolvidos após o upgrade disponível no App Store]

Uma preocupação minha era quanto ao “Time Machine”. Eu uso muito essa função, já me salvou várias vezes com alterações indevidas ou quando um cliente voltava atrás e queria o layout feito no dia anteior. Uma das razões por eu não ter feito upgrade para o “Snow Leopard“ era justamente pelo “Time Machine” dar muito problema neste sistema. O primeiro backup do Time Machine no Mavericks foi muito demorado, ficou um bom tempo “preparing backup” e achei que iria dar erro. Mas foi apenas no primeiro backup, nos demais, de hora em hora, o backup foi feito normalmente e até o momento está funcionando perfeitamente.

A maior mudança, principalmente para mim que usava o sistema 10.6.8, foi com relação ao programa de e-mail. Ele tem mais funções, novo modo de mostrar as mensagens, semelhante ao Iphone, mas é bem rápido de se acostumar com ele. Agora, quando um PDF com mais de uma página é anexado, ele mostra um preview da primeira página.

A visualização rápida no finder para PDF (tecla “espaço” do teclado) também mudou, mostrando todas as páginas no canto direito da tela.

Uma grande novidade é o “Notification Center”. Ajuda bastante, exibindo conversas no Skype, calendário, e-mails novos, acaba dando agilidade para responder e usar várias coisas sem precisar sair da tela do seu trabalho.

As tags sofreram grandes mudanças também, estão disponíveis ao “salvar” um arquivo. Pessoalmente, eu gostava mais quando todo o texto do ícone era colorido, em vez de apenas uma marca na frente do texto. Mas isso mudou pois agora você pode colocar mais de uma tag para o mesmo arquivo. Como uso bastante as tags, ficou melhor procurar por trabalhos marcados como concluídos, ou aprovados, ou como você os tenha marcado.

Você pode conferir mais novidades do sistema neste link da Apple (https://help.apple.com/osx-mavericks/whats-new-from-snow-leopard).

Solução para Illustrator CC lento, e Dreamweaver CC sem “properties”

Comecei a usar o Adobe Creative Cloud. É fantástico ter todos os softwares da Adobe, que são muito bons, sem ter que escolher um pacote com menos softwares por causa do preço. É verdade que o valor da assinatura ainda é um pouco salgado, mas creio que a tendência seja diminuir, em virtude do grande número de associados (assim espero). As vantagens extras, como o Behance e uso de fontes adicionais, além de sempre ter os programas atualizados também são excelentes.

Bom também é o suporte Adobe. Recentemente tive um problema com meu Illustrator. Instalei o pacote CC e tudo funcionou sem problemas. Até que ficou disponível uma atualização na nuvem. Após esta atualização (para versão 17), o Illustrator apresentou alguns problemas. Trabalhando com Mac, o comando “Quit” não funcionava, sendo sempre necessário usar “Force Quit”. Outro problema foi um “delay” em todos os comandos que eu realizava. Por exemplo, ao mover um objeto, nada acontecia. Quando eu “deletava” este objeto, era realizado o comando anteiror e ele se movia.

Entrei na “Adobe Community” e relatei o meu problema (veja aqui). Rapidamente recebi uma resposta afirmando ser necessário instalar as fontes Verdana e Tahoma, e tudo isso se resolveria. A princípio achei estranho, pois tinha certeza que essas fontes estavam instaladas. Mesmo assim eu as instalei novamente. Para minha surpresa elas não apareceram como “duplicadas” no Font Book. E o problema foi solucionado.

Além disso, eu tinha outro problema com meu Dreamweaver. Quando um elemento era selecionado, nada aparecia no barra de “Properties”. Instalando as fontes, esse problema também foi resolvido.

Adobe Creative Cloud

Os softwares da Adobe agora usarão o conceito de “Cloud”. Isso não significa que você usará os softwares a partir de um browser, nem que deverá estar sempre conectado à internet para usá-los. Basicamente,  a instalação do software é como sempre foi. Você instala na sua máquina e pode usar sem estar conectado à internet. O que muda é que, pelo menos de tempos em tempos você deve se conectar para o software “saber” que você tem permissão para continuar a usá-lo.

Até agora, você comprava um software, ou pacote de softwares, instalava em sua máquina e poderia usá-lo sempre, você tinha o direito de usar aquela versão até o final da sua vida. De tempos em tempos, geralmente a cada 18 meses, você poderia desembolsar uma boa quantidade de dinheiro e adquirir o upgrade, para ter seu software atualizado.

O que muda agora, com o uso da Cloud, é que você não compra a licença de uso, mas faz uma ASSINATURA para uso desta licença. O software passa  a ser um serviço. Anualmente deve-se renovar esta assinatura para continuar a usar o software. Com esta mudança temos vantagens e desvantagens. Vamos lá:

Vantagens:

  • Você sempre usará a versão mais nova do software. Com a assinatura de uso, sempre que a Adobe tiver uma versão mais nova, você pode instalá-la sem custos adicionais.
  • Uso de todos os softwares Creative da Adobe. Particularmente achei isso fantástico. Antes, por razões financeiras, você tinha que optar  por um pacote que supria suas necessidades básicas, mas sempre crescia os olhos em outros programas, no meu caso, os de edição de vídeo. Com a assinatura, você tem acesso a todos os programas, por um custo bem menor do que se quisesse adquirir a licença, como antes.
  • Acesso a outros serviços Adobe, como espaço de até 100 GB na Cloud; compartilhar seus trabalhos com outros profissionais (mesmo que em desenvolvimento, para ter sugestões e críticas); hospedagem de sites no provedor Adobe; uso de várias fontes de letras disponibilizadas pela Adobe; criação e gerenciamento de seu portfólio; entre outras.
  • Custo reduzido EM RELAÇÃO a compra dos pacotes
  • Pode-se usar Mac ou PC (logicamente dependendo da máquina que você está trabalhando ele irá fazer o download apropriado para ela – mac ou pc, mas se seu PC der pau e você comprar um Mac, por exemplo, pode baixar e instalar os softwares). Antigamente você comprava a licença própria e única para seu tipo de máquina.
  • Promoção para quem já é cliente de produtos Adobe (versões a partir do CS3), até 31 de agosto de 2013.

Desvantagens:

  • Primeiro de todas: preço! Enquanto nos Estados Unidos, para empresas, você tem a assinatura por um pagamento mensal de US$ 69,99 mais impostos (US$ 39,99 para clientes Adobe), e para pessoa física US$ 49,99 mais impostos (US$ 29,99 para clientes Adobe); aqui no Brasil esse valor chega a US$ 1.189,00 (US$ 655 para clientes Adobe), e não encontrei a assinatura mensal, podendo ser parcelada no máximo em 3 vezes sem juros.
    (Comentário a parte: a Adobe deveria atualizar o site brasileiro colocando os preços reais do Brasil, e não apenas uma tradução do site em inglês. Coitado dos revendedores brasileiros que têm que explicar aos clientes por quê no site aparentemente o valor parece ser bem mais em conta)
  • Se você não puder renovar sua assinatura, fica sem poder usar o software.

Com tudo isso, ainda acho viável aderir ao serviço. Visto também que a Adobe não irá mais comercializar a venda da licença, para usar os softwares você terá mesmo que fazer por meio da assinatura de todo jeito. A melhor maneira é aproveitar a promoção até dia 31 de agosto de 2013. Assim como um carro que você compra e sabe que tem que pagar o IPVA todo ano, você terá que renovar anualmente sua assinatura, com a vantagem que o uso do software deve gerar lucros para sua empresa com muitos trabalhos (o que todos esperamos!!!!).

Como evitar SPAM nos comentários do seu Blog (WordPress)

Spans não vêm apenas em e-mails. Quando se tem um blog, com comentários disponíveis, é comum você receber vários comentários que não são pertinentes a seu post. São spans (propagandas de outros sites, produtos, ou apenas brincadeiras). Isso sempre irrita, pois temos que “moderar” sobre estes comentários, apagando-os, a toda hora, em vez de gastar nosso tempo com comentários verdadeiros.

Geralmente estes spans são gerados por “robôs”, que entram em vários blogs para deixar sua mensagem. Procurei algumas soluções e encontrei um “plugin” que está sendo eficiente até agora. Este plugin gera um “Captcha“, ou seja, aquela imagem com letras e números que você tem que digitar o equivalente em um campo. Isso resolve, pois um “robô eletrônico” não tem olhos para ver a imagem, interpretá-la e digitar o equivalente no campo correpondente (pelo menos, por enquanto). O nome do plugin é “SI Captcha Anti-spam”.

No painel de controle do Worpress, clique em “plugin” e “adicionar novo”.

No campo pesquisar, digite o nome do plugin (SI Captcha Anti-spam). É o primeiro que aparece. Selecione “instalar agora” (como já instalei, na minha imagem aparece como ‘instalado’).

 Selecione “instalar agora”. Depois de instalado, é necessário ativá-lo. Após ativá-lo, você pode configurar as opções, que ficam em plugins (Opções SI Captcha). O plugin é gratuito, mas se você gostou dele e foi útil, pode fazer uma doação ao desenvolvedor.